domingo, 2 de dezembro de 2007

Hoje é domingo, pede cachimbo...

Baixei umas músicas da Inkoma, banda da Pitty antes do Pitty... Muito boas as músicas, tem letra, e todas tem boas lições..... Aaaah...! Pitty, tú é demais!

Mas o cara que veio aqui em casa hoje... Caramba... Um amigo do meu pai, sabe tudo de computador, e quando soube que eu queria aprender, começou a jogar uns livros de 2 mil páginas pra cima de mim... Disse que queria me encorajar... Mas não encorajou nem uma gota!

Para não dificultar minha vida, deixa eu continuar com o meu Marionete de Guerra, que já não posto desde quinta...

"Carlos desligou o celular desapontado e foi chamar Guilherme e Denzel, que estavam jogando um jogo de tiros. Quando estava chegando perto, esbarrou em uma garota que estava sozinha, e ela se virou para tirar satisfações. Quando Carlos viu seu rosto, reconheceu Carla, a garota que tentara beijá-lo no primeiro dia de aula. Ela olhou bem para o rosto de Carlos. Parecia um pouco embriagada, e demorou para reconhecer seu colega de classe.

- Oi, gatinho! - disse Carla, num tom provocador, se aproximando de Carlos, como no primeiro dia de aula.

- Oi. - disse Carlos, em resposta, começando a ficar vermelho.

- Por que a vergonha?! Eu nem sou tão feia assim! Vem cá, vem! - Carla pegou na cintura de Carlos e deu uma risada. Carla tinha razão, era linda. Linda demais para Carlos.

Afaste-se.

Carlos ignorou a voz, e depois de criar coragem, se aproximou perigosamente de Carla.

AFASTE-SE!

Agora menos envergonhado e desobedeçendo a voz, Carlos aproximou sua boca da de Carla. Quando o beijo ia acontecer, uma mão pegou Carlos no ombro. Quando se virou para olhar quem era, um soco forte veio direto em seu queixo. A dor foi forte, mas suportável. Quando conseguiu olhar para quem lhe desfrira o soco, recebeu outro no rosto, caindo sentado no chão. O garoto vinha para cima de Carlos, agora caído, para dar mais um soco, quando Carla o interrompeu.

- Pára, daniel! Pára!- Gritou ela, assustada.

Mas já era muito tarde para parar. Algo dentro de Carlos desejava a morte daquele ser. O garoto perdeu o equilíbrio durante o soco e caiu em cima de Carlos, que o empurrou para o lado. Seu rosto começou a ficar vermelho, e a respiração, ofegante. Começou a pressionar o pesoço, tentando puxar o ar de sua boca para baixo. Os reflexos falharam. Caiu para o lado e estendeu sua mão para Carla, que se ajoelhara ao seu lado, sem entender o que acontecia. Carla chorava de nervosismo, e segurava a mão do corpo inerte do garoto. Carla viu que ele já não respirava e estava ficando frio e pálido, deitou-se do seu lado e o abraçou. Carlos se levantou e reparou que as pessoas faziam uma roda em volta
de Carla, do corpo do garoto e Carlos.

- O que você fez com meu namorado?!? - Gritou Carla, para Carlos, sem entender o que acontecera com o garoto, soluçando e chorando. - O que?! Me responde!

- Vamos embora. - Denzel, que assistira tudo, puxou Carlos pelo braço, tirando-o do centro do círculo.

Carlos estava em choque. Ouvia milhares de vozes ao mesmo tempo. Estava com medo. Quando conseguiu perceber as coisas ao seu redor, viu que já estava a caminho da saída do fliperama, sendo puxado por Denzel, e Guilherme logo ao seu lado. Quando saiu, Uma abulância estava do lado de fora, e alguns enfermeiros tiravam uma maca do carro. Ao lado da ambulância, um homem em uma moto, com uma espécie de farda azul-marinho. Carlos, Denzel e Guilherme começaram a andar para casa, em silêncio, sem entender o que acontecera lá."

Aê, chega por hoje! Aproveitem as férias... Dia 5 tem conselho de classe, o boletim sai dia 10... Quero só ver se passei direto... Tomara!

Então, até amanhã, nessa mesma hora, nesse mesmo canal! Até!

Um comentário:

Belinha disse...

Legal Leon...
Ve se escreve mais rápido...
Vou ver se consigo dar uma olhada no seu blog pelo menos uma vez ao dia...
Boas férias e bom trabalho...
Bjaum...
:)...